Governo autoriza fintecs a emitirem cartão de crédito!

Várias iniciativas estão sendo tomadas para que a população consiga mais acesso ao poder aquisitivo e consiga superar o momento de crise e retração econômica que o país irá passar pelos próximos meses. Uma delas é a autorização dada pelo governo deste último dia 26 de março para que fintecs possam oferecer cartão de crédito!

Veja mais sobre os impactos e a viabilidade da iniciativa, lendo o artigo até o fim!

Cartão de crédito por fintecs!

A medida foi muito elogiada por economistas e especialistas pois abre possibilidades de capital e maior poder aquisitivo para boa parte da população.

Além de maior poder aquisitivo para a população, a medida serve também para aumentar a concorrência no mercado e aquecer a economia nesses tempos difíceis!

A medida se mostra eficiente devido ao fato de que fintecs financeiras podem alcançar uma parcela que geralmente tem mais dificuldade em conseguir empréstimos em grandes instituições bancárias, como os micro e pequenos empresários por exemplo.

O Banco Central aposta nesta medida como uma forma de diminuir os impactos da pandemia de COVID-19 na economia brasileira.

No entanto, enquanto uma fração dos especialistas em finanças elogia a decisão, uma outra parcela mostra uma visão não tão otimista assim.

Mais crédito é sinônimo de maior circulação de renda?

Ao mesmo tempo que os economistas elogiam a medida, apontam que ela poderá sim ser eficaz no aumento da concorrência no mercado mas que em contrapartida será pouco eficaz no que diz respeito à facilidade de crédito.

Isso ocorrerá porque permitir a possibilidade de oferecer cartão de crédito não é o mesmo que aprovar o cartão de crédito. 

O que é compreensível pois com a incerteza desse momento de pandemia deixa muitas fintecs temerosas em oferecer esse tipo de crédito devido a inadimplência.

O Brasil já possuía uma grande parcela de inadimplentes no país inteiro antes mesmo da recessão econômica e com o aumento gradual de desempregados, muitas fintecs estão mais rígidas nos requisitos para aquisição de crédito.

Avalie este artigo