O programa “Desenrola”, criado durante o governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para a renegociação de dívidas, começa a ser implementado a partir desta segunda-feira, 17. Nesta fase inicial, o foco será na faixa 2, abrangendo especialmente dívidas bancárias, como aquelas oriundas do cartão de crédito.

Continua após a publicidade..

O “Desenrola Brasil” permitirá que devedores com renda entre dois salários mínimos e R$ 20 mil busquem as instituições financeiras para renegociar seus débitos, sem haver um limite máximo para os valores. Além disso, as negociações estarão isentas do pagamento do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF). Uma das exigências do governo para os bancos é que, na renegociação, o parcelamento seja de, no mínimo, 12 meses. Serão beneficiadas as dívidas contraídas entre 2019 e 31 de dezembro de 2022.

Continua após a publicidade..

Espera-se que aproximadamente 30 milhões de pessoas sejam beneficiadas por esse programa. No Brasil, o número total de inadimplentes é de cerca de 70 milhões de indivíduos. A maioria das dívidas em questão é relacionada ao cartão de crédito, onde os juros podem chegar a até 450% ao ano.

Nesta primeira fase do “Desenrola”, os cidadãos brasileiros que possuem dívidas em atraso de até R$ 100 com bancos terão seus nomes retirados da lista de inadimplentes. Estima-se que cerca de 1,5 milhão de brasileiros terão a oportunidade de ter seus nomes limpos.

Como se cadastrar no Programa?

Para realizar o cadastro no programa “Desenrola” durante a fase inicial, os interessados em renegociar suas dívidas devem contatar as instituições financeiras por meio dos canais oficiais de atendimento, como agências bancárias, internet ou aplicativo. Através desses canais, eles terão acesso às condições especiais para a renegociação de suas dívidas.