R$9,5 milhões do auxílio emergencial ainda estão nas mãos de militares e servidores públicos

Atualmente, ainda há pelo menos 15.445 servidores públicos federais, tanto civis quanto militares, que receberam o auxílio emergencial de R$ 600. O benefício foi pago para esse grupo em maio, junho e julho. Isso significa que R$ 9.481.200 foram pagos dos cofres públicos para o grupo. A Controladoria-Geral da União (CGU) e o Tribunal de Contas da União (TCU) alertaram sobre esses cidadãos que receberam indevidamente e foi criado site para devolução do valor.

Vale lembrar, o auxílio emergencial foi criado para ajudar trabalhadores informais, autônomos, microempreendedores individuais (MEIs) e desempregados. Ele foi criado para auxiliar esse grupo, considerado o mais vulnerável da população, já que, durante a pandemia do novo coronavírus, pode haver uma grande queda na renda.

De acordo com a CNN Brasil, a Controladoria-Geral da União identificou mais de 980 milhões de reais que foram pagos para agentes públicos de todas as esferas, que originalmente não deveriam cumprir aos requisitos e receber o benefício. Entretanto, o número não denuncia fraude dos servidores. Pode haver casos em que os nomes e dados foram utilizados por terceiros, além de casos em que o pagamento pode acontecer automaticamente.

Ainda segundo a CNN Brasil, por dados do Portal da Transparência, há servidores com renda de até R$ 20 mil por mês que receberam o auxílio emergencial indevidamente. Em alguns casos, isso aconteceu mais de uma vez. O portal encontrou também um caso pontual de militar que recebe o auxílio desde abril, mesmo após o pente fino do governo e do aviso do TCU sobre a devolução do dinheiro.

De acordo com os dados do Portal da Transparência, obtidos pela CNN, em junho e julho, 1.220 militares ainda apareciam entre os beneficiários. Pelo menos 14 deles receberam três parcelas do auxílio. Outros 109 deles receberam pela segunda vez. A correção e devolução entre servidores é ainda mais lenta. Segundo a CNN, 1,7 mil servidores receberam a terceira parcela entre junho e julho e outros 515 receberam a segunda. Por fim, entre junho e julho, 559 servidores foram adicionados irregularmente no programa. De acordo com os requisitos oficiais do programa, nenhum deles deveria ter recebido o pagamento.

Avalie este artigo