Prorrogação do auxílio é comentada pelo presidente

Na última semana, Jair Bolsonaro comentou pela primeira vez sobre a possível prorrogação do auxílio emergencial. A declaração foi dada poucos dias depois de jornais divulgaram que o governo estaria estudando prolongar o benefício. Depois de dos seus apoiadores agradecer pelo benefício, o presidente alegou que o governo não consegue prorrogá-lo “por muito tempo”.

“Foi graças ao senhor que não faltou comida na minha casa. Meu auxílio foi aprovado e veio em boa hora, graças ao senhor”, agradeceu o apoiador do presidente. “Começamos a pagar a quarta parcela e tem a quinta, não dá para continuar muito. Por mês, custa R$ 50 bilhões. A economia tem que continuar, e tem alguns governadores que teimam em manter tudo fechado”, reclamou o presidente.

Apesar da declaração de Bolsonaro, nos bastidores as conversas sobre uma prorrogação continuaram. Entretanto, o governo quer que a prorrogação pague parcelas de menos de R$ 600. A ideia é de que as novas parcelas sejam entre R$ 250 e R$ 300.

Quando começou a ser veiculado que o governo estava cogitando prorrogar, a notícia é de que a ideia era estender até dezembro de 2020. Mas nos últimos dias, foi noticiado que o governo já cogita estender até março de 2021, mas com parcelas menores que os R$ 600. O objetivo é que o auxílio emergencial seja substituído pelo programa Renda Brasil, que ainda está sendo criado.

Avalie este artigo