Procurador poderá fazer prova de vida de beneficiário do INSS

A partir do dia 27 de julho, os bancos estão autorizados a fazer a prova de vida de beneficiários do INSS com idade igual ou superior a 60 anos, através de procurador ou representante legalsem o prévio cadastramento no órgão. A dispensa do cadastro pode ser feita quando é apresentado uma procuração, termo de tutela, curatela ou guarda. 

A procuração também poderá ser aceita quando for apresentado instrumento de mandato público, nas situações de ausência por viagem, impossibilidade de locomoção ou moléstia contagiosa e durante o período de 120 dias, podendo ser prorrogado.  

Documentos 

Uma série de documentos é exigido, como certidões de nascimento, casamento, documento de identificação, formulários de perfil profissiográfico previdenciário, documentos apresentados para solicitação de pagamento até o óbito, e outros. 

Nos casos em que a documentação necessária não estiver entre as previstas, provocar dúvida quanto à sua legitimidade ou for indispensável o comparecimento presencial do interessado, os prazos serão suspensos enquanto perdurar a interrupção do atendimento presencial. 

De acordo com a regra, a dispensa da autenticação não vale caso haja algum indício consistente de falsidade. “Nos casos em que houver dúvida quanto à legitimidade de qualquer documentação apresentada, caberá solicitação de exigência que terá o prazo suspenso até o retorno do atendimento presencial”, diz a portaria. 

Recebimento de benefício

Quando se tratar de recebimento de benefício, a inclusão de procuração em qualquer situação, termo de tutela, de curatela, de guarda e o cadastramento de herdeiro necessário, na condição de administrador provisório, serão realizados pelo INSS.

Avalie este artigo