Menos da metade das mulheres que solicitaram o auxílio, não foram aprovadas

Foi feito um levantamento sobre o benefício emergencial, pela empresa Famivita. O auxílio foi criado pelo governo feral, para ajudar informais, autônomos e microempreendedores individuais, durante o surdo do novo coronavírus.

Apenas 46% das mulheres que fizeram a solicitação do benefício, foram aprovadas, segundo a pesquisa. Elas estão recebendo o valor de R$600 ou R$1.200, no caso de mães chefes de família. Ainda segundo a pesquisa, apenas 57% de mães solteiras com filhos pequenos, tiveram o benefício aprovado.

A pesquisa também analisou a perda de emprego durante a pandemia. De acordo com o resultado, 35% das mulheres afirmaram que ficaram desempregadas, incluindo as informais. Antes da crise, 53% das entrevistadas trabalhavam. O Amazonas foi o estado mais afetado, com 61%. Distrito Federal e Rio de Janeiro, 35%. São Paulo, 33%. Por fim, Santa Catarina apareceu entre o menos afetado com perna de emprego, com 28%.

Com abrangência em todo o Brasil, o estudo foi feito com mais de 7.500 brasileiras, entre 27 e 28 de julho.

Avalie este artigo